Como as agências se transformaram para atender o mercado de marketing digital?

8 de junho de 2017
PUBLICADO EM blog
8 de junho de 2017 Marcelo Rama

A história do marketing mostra que a adaptação não é uma exigência exclusiva dos tempos modernos. Apesar de o marketing digital ter atuado significativamente na transformação das agências nos últimos anos, o fato é que, desde a criação da prensa tipográfica, por Gutenberg, há cinco séculos, o ser humano tem se adaptado às novas tecnologias para se comunicar melhor.

É por essa lógica que devemos interpretar o atual momento, em que o marketing digital aparece como tendência. Ele exige das agências a mesma adaptação que outras inovações exigiram quando transformaram a comunicação em seu tempo. É o caso do telefone, que ao longo do século XX deu vida ao telemarketing, por exemplo.

A questão é compreender a dinâmica do online como um diferencial do atual momento histórico. Nunca as transformações aconteceram de maneira tão rápida e intensa: em menos de uma década, saímos de maneira quase integral do chamado offline, ou seja, do uso de ferramentas tradicionais, baseadas fora da internet, para o online.

Isso sem falar nas mudanças constantes que aparecem dentro da rede. Hoje, ferramentas que até poucos anos atrás eram inovadoras agora já parecem obsoletas. Basta comparar as soluções de design gráfico atuais com os programas do início da década de 2000.

Essas exigências do mercado é que pautam a atuação de uma agência de marketing digital em tempos modernos. É preciso saber mais sobre esse tipo de iniciativa e como os profissionais da área podem lidar com isso. Confira!

1. O marketing digital já se tornou indispensável

Imaginar uma empresa de sucesso sem presença online parece absurdo. Hoje, existem mais de 3 bilhões de pessoas com acesso à internet no planeta, ou seja, quase metade da população mundial, pessoas que cada vez mais têm seus hábitos transformados em função do mundo virtual.

A grande maioria dos consumidores pesquisa na internet antes de fazer suas compras. Segundo a Retailing Today, 81% dos compradores realizam pesquisas online antes de fazer grandes aquisições. Isso é significativo, pois demonstra o quanto uma empresa que não se posiciona em ambiente online perde: ela não parte com atraso na busca pela conquista do cliente para somente 29% do público, o que representa um senhor diferencial competitivo… para a concorrência.

Isso praticamente tira do mercado empresas que não investem no online, algo que tende a ficar ainda mais acentuado nos próximos anos, em que se estima um crescimento ainda maior do marketing digital em consequência do número de companhias que ainda não investem em ambiente online.

Por esse motivo é que não se pode mais dispensar o marketing digital. É ele quem tem as ferramentas necessárias para dar às empresas condições de ocuparem espaço em ambiente online e se posicionarem de maneira adequada diante dos consumidores.

Imagine uma empresa que compreenda a importância de estar online, mas que não o faz de maneira estratégica, ou seja, ela simplesmente tem perfis nas redes sociais — que não são atualizados frequentemente — e mantém um site pouco atrativo, com navegação desinteressante, design não responsivo e uma marca sem identidade visual forte.

Essa empresa dificilmente conseguirá explorar todo o potencial que a internet oferece. Sem uma campanha de marketing bem estruturada, capaz de compreender todas as oportunidades geradas pela rede, a tendência é que os resultados dessa presença online sejam os mesmos que a empresa teria se ela estivesse alheia à rede: insatisfatórios.

Por isso, ter presença online e qualificada é indispensável para os interesses de uma companhia.

Entrar em ambiente online sem o apoio de uma equipe preparada é um risco que nenhuma empresa precisa correr. Hoje, as agências de marketing oferecem serviços de diversas naturezas, sendo elas generalistas, ou seja, capazes de atender a todo tipo de cliente, independentemente da área em que atuam, ou especialistas, focadas num determinado segmento de um mercado específico.

2. Características de uma agência de marketing digital campeã

Uma agência de marketing digital campeã precisa ter a agilidade necessária para atuar em todas as mídias de maneira precisa. E isso só é possível por conta das ferramentas que têm surgido nos últimos anos. Programas específicos fizeram com que o próprio espaço nas agências também se transformasse. Hoje, praticamente tudo o que se precisa está disponível em ambiente online, acessível via PCs, notebooks, tablets e smartphones.

A chamada Cloud Computing é um exemplo dessa transformação. Com ela, os profissionais não precisam sequer trabalhar com um mesmo computador para acessar os arquivos instalados, uma vez que eles ficam disponibilizados na nuvem.

Em consequência disso, surgiram as plataformas, acessíveis tanto para os profissionais quanto para os clientes. Com elas, os serviços podem ser realizados de maneira ágil, e as entregas podem ser feitas de forma muito mais eficiente do que no passado.

Mas não pense que a tecnologia torna a ação humana menos importante. Para dar conta desse novo momento, uma agência de marketing precisa montar uma equipe que saiba:

Ser estratégica

Isso diz respeito a realizar cada ação de maneira integrada com os objetivos finais da campanha. No marketing digital, as partes específicas de um trabalho precisam fazer parte de um conjunto maior para que os resultados sejam interessantes. Nada é feito sem conexão.

Trabalhar com métricas

Um diferencial que o marketing digital apresenta em relação ao tradicional diz respeito à facilidade de mensuração das ações. É por isso que o profissional precisa acompanhar as diversas métricas disponíveis e usá-las em seu favor, ou melhor, em favor da campanha, alterando procedimentos diante das necessidades.

Estar de olho no mercado

Oportunidades surgem em função de brechas que o mercado apresenta. Por isso, é preciso atenção. Identificar oportunidades diz respeito a observar o comportamento do consumidor e também compreender o que está sendo oferecido a ele. Não é difícil identificar gargalos e transformá-los em oportunidades. É essa visão que se espera de especialistas de marketing digital na rede.

Ser flexível

A adaptação faz parte da história do marketing. No novo momento, isso exige flexibilidade. Sem ela, é impossível acompanhar todas as inovações que surgem.

Já parou para pensar em quantas novas tecnologias a internet apresentou nos últimos dez anos? Agora imagine um profissional de marketing que não se atualizou durante esse tempo. Certamente, ele perdeu espaço no mercado. Uma agência campeã tem um time focado em se adaptar diante de cada novidade.

Ser inovadora

A inovação é a grande marca do marketing digital hoje. Mais do que se adaptar, cabe às agências abrir espaço para inovar, para que elas mesmas sejam capazes de transformar as vidas das pessoas com soluções. Como fazer isso? Desenvolvendo um ambiente voltado à inovação, em que os profissionais estejam constantemente tentando aperfeiçoar suas tarefas, tanto no online quanto no offline.

Sim, o offline. Quem disse que ele tem que ficar de fora da transformação digital? É isso o que você verá no próximo tópico.

3. O offline morreu?

Evidentemente, não. E é altamente provável que isso jamais venha a acontecer. Acreditar nessa história é não compreender as possibilidades das mídias tidas como offline e, inclusive, das próprias mídias digitais. Ter presença online pode ser visto como uma maneira de qualificar a presença no offline, até mesmo porque boa parte das campanhas de maior impacto nos últimos anos surgiu da integração entre os dois.

Quer exemplos? Recentemente, ganhou notoriedade um case da marca de cervejas Budweiser, que criou um omnichannel para promover a campanha “The Buddy Cup”. Nele, a empresa conseguiu integrar redes sociais e pontos de venda, envolvendo consumidores desde o primeiro contato online com o produto até a interação offline.

Antes disso, o McDonald’s também soube usar os recursos digitais para divulgar aquele que era, na época, seu novo Triple Burger Bacon. Com a campanha “Pequenos Preços”, a empresa promoveu nas redes sociais a divulgação do novo lanche via Snapchat, ao mesmo tempo em que apostou em filmes para a TV aberta, ações de merchandising, entre outros, o que gerou impacto no público de todos esses canais.

Isso mostra que o marketing bem-feito vem se adaptando aos novos recursos. O offline ainda está vivo e bem presente nas vidas das pessoas. Jornais impressos, revistas, rádio e TV, todos esses canais têm se transformado nos últimos anos para se adaptar.

Lembra-se do que foi dito anteriormente sobre adaptação? Pois é isso que está sendo exigido deles e é por esse motivo que alguns veículos estão chegando ao fim. Eles não estão conseguindo se adaptar à nova realidade e cometem o erro de ver o online como inimigo.

Por outro lado, quem consegue compreender os benefícios que o uso da internet oferece para o seu negócio tem ganhado muito. É o caso de empresas que transformaram sua maneira de atuar por conta da rede. Lojas que trabalham tanto no online quanto no offline têm visto suas vendas aumentarem nos últimos anos.

Da mesma forma, se a audiência nos meios tradicionais diminuiu, isso não significa que eles tenham perdido credibilidade, uma vez que essa credibilidade tem sido cada vez mais exigida em meio digital.

O offline não morreu, apenas tem passado por um período de testes diante da necessidade de adaptação. A revolução digital trouxe consigo uma mudança de valores que está impactando as pessoas de todas as áreas. Quando ela se consolidar, teremos um cenário em que a comunicação terá selecionado os mais aptos e deixado de fora os menos aptos. Como sempre aconteceu ao longo da história.

4. Marketing offline e online: como unir os dois e quais resultados esperar?

Talvez a grande pergunta do momento seja exatamente esta: de que maneira o online pode ser útil para o offline nos dias de hoje? Um exemplo de como isso pode ser feito está na facilidade que a internet oferece para as pessoas se informarem.

Como a rede apresenta recursos para reduzir a complexidade de vendas, isso pode ser útil mesmo para empresas que atuam com as vendas concentradas no offline, pois elas podem oferecer informação acessível para clientes, simplificando as negociações.

Pense em todas as mídias offline possíveis, ou seja, formas de comunicação que acontecem fora da internet. Eventos, mídia impressa, malas diretas, mobiliários urbanos, campanhas em TV e rádio, entre outras. São muitas, não são?

O fato é que o offline está sempre presente no dia a dia das pessoas, independentemente do crescimento do online, e isso não vai mudar, pois as pessoas continuarão sendo expostas a mensagens nas ruas (seja no metrô, nas estradas, em eventos) e também dentro de casa (vendo TV, lendo jornais e revistas). Da mesma forma, o online está cada vez mais fazendo parte em suas vidas, ainda mais com a evolução da tecnologia mobile.

Sendo assim, por que pensar que uma coisa anula a outra? Por que não pensar em campanhas integradas, em que uma mídia se apoia nos recursos oferecidos pela outra para aperfeiçoar seus resultados?

Imagine uma campanha de mídia impressa que se utilize de recursos digitais para trazer para a rede a presença da marca de maneira a ampliar o contato do consumidor com ela. É o que acontece com grandes veículos de comunicação que conseguiram se adaptar ao online para manter seu negócio em evidência. Grandes revistas e jornais que passaram a usar a rede para conferir credibilidade ao seu trabalho num ambiente em que as pessoas precisam de fontes confiáveis de informação.

Da mesma forma, eventos e feiras, que funcionam como um meio para abrir contatos para as empresas, podem ser beneficiados com a criação de páginas de captura específicas e o uso do marketing digital para nutrir o lead.

São inúmeros os exemplos de como uma campanha de marketing online pode ser o diferencial para o sucesso de campanhas de marketing offline e vice-versa. Um exemplo do que pode ser essa relação no futuro é o fenômeno do Pokémon Go, um aplicativo que tomou conta das ruas de todo o mundo.

Uma peculiaridade desse aplicativo é que ele não permite uma conclusão a respeito de seu uso ser mais voltado ao online ou ao offline. Ele é resultado da tecnologia de realidade aumentada, que permite ao usuário ver projeções de conteúdo virtual no mundo real.

Como seu uso é feito nas ruas, podemos imaginar que se trata de uma ação offline, entretanto, ele acontece no online, via smartphone, ou seja, o Pokémon Go dá todos os indícios do que será essa relação nos próximos anos: cada vez mais integrada entre os dois ambientes a ponto de eliminar as barreiras entre eles.

Esse é um sinal de que colocar o online como oposto do offline é um erro. No futuro, as empresas mais adaptadas à comunicação certamente lidarão com a comunicação de maneira mais integrada. E essa é uma transformação que já começou.

5. Evolução constante: as agências não podem ficar paradas

É por esse motivo que os profissionais da área de marketing precisam ficar atentos à evolução que o digital apresenta. Cada vez mais pessoas têm acesso às ferramentas digitais e a cada dia surgem novidades que oferecem oportunidades para inovação. O próprio Pokémon Go é um exemplo disso. Ele é fruto da evolução que o recurso de geolocalização obteve nos últimos anos.

Se, até algum tempo atrás, os métodos de posicionamento e de realidade aumentada estavam restritos a inovações sofisticadas, como produções cinematográficas e aparelhos de GPS de alto custo, hoje, eles tornaram-se acessíveis a qualquer pessoa com um smartphone, o que dá um indício de que boa parte das inovações tecnológicas que virão nos próximos anos terá impacto no cotidiano do grande público.

Essa é uma transformação que as agências precisam acompanhar. Mas não pense que isso se dá de maneira fácil. O ambiente online é um verdadeiro oceano de informações e possibilidades, muitas delas ainda não tão bem exploradas quanto seria necessário.

Como saber a melhor maneira de atuar nesse meio? Como diferenciar os benefícios de cada rede social, por exemplo, na sua campanha?

O Facebook tem a maior audiência, mas é o Twitter quem costuma gerar maior engajamento entre as empresas e os consumidores. Da mesma forma, o LinkedIn, com seu foco voltado ao universo corporativo, não pode ser confundido com o YouTube, que permite o trabalho com conteúdo corporativo de maneira mais leve e de fácil assimilação. Isso sem falar de outros canais que, dentro do ambiente online, diferem radicalmente, exigindo plena adaptação da parte de quem pretende utilizá-los numa campanha.

É nesse sentido que ganha importância o papel do especialista em marketing digital. É ele quem terá as condições para avaliar as possibilidades de uma empresa no meio online e desenvolver estratégias para atingir os objetivos de maneira precisa, inclusive dando a ela o direcionamento para aperfeiçoar sua atuação no offline.

Tenha sempre em mente que os eventuais erros cometidos no online costumam gerar uma repercussão muito maior do que no offline.

Exemplos disso não faltam: é o caso do consumidor paulistano que, insatisfeito com um produto comprado da marca Brastemp, resolveu colocá-lo na porta de casa e fazer um vídeo alertando as pessoas a respeito dos problemas apresentados pelo produto e o péssimo atendimento oferecido pela empresa.

Resultado: a repercussão foi tão negativa que quase colocou por água abaixo anos de uma campanha bem-sucedida no offline e fez com que a companhia reavaliasse sua presença na rede.

Não ter um trabalho específico para lidar com o ambiente digital é um erro que, se foi capaz de atingir uma das marcas mais tradicionais do mercado brasileiro, é inegavelmente grave.

Enfim, considerando todo o percurso histórico, vemos que a trajetória do marketing ao longo dos tempos vem sendo modificada em função das inovações. Com a internet, é exatamente isso o que vem acontecendo nos últimos anos. Entretanto, essa mudança tem exigido um tipo de adaptação que muitos profissionais ainda não compreenderam, que diz respeito à velocidade em que ocorre e a integração com o offline.

Dessa forma, escolher uma agência de marketing digital que compreende esse momento é o caminho para o futuro.

Ainda assim, mesmo quando se conhecem os benefícios que o trabalho com o digital pode oferecer, ainda é possível ter dificuldades para se adaptar a ele em função de problemas como:

  • falta de tempo para conciliar com o offline;
  • falta de conhecimento específico;
  • falta de equipe;
  • falta de estrutura na empresa.

É por isso que terceirizar esse departamento, trabalhando com agências qualificadas, capazes de trazer os benefícios esperados, costuma ser o ideal. Quando isso acontece, cabe à empresa apenas acompanhar os resultados e avaliá-los em função de seus interesses.

Mas saber escolher a agência certa envolve algumas questões. Por exemplo, o que você precisa? De alguém para executar ações ou para orientar? No primeiro caso, a solução é contratar uma agência, pois cabe a ela desenvolver as atividades para operar no dia a dia; já no segundo caso, a solução para o seu problema é contratar um serviço de consultoria, pois cabe a ele orientar o cliente da maneira como parecer mais adequada em função da análise realizada.

Outro elemento essencial a se avaliar é o passado da agência. Ela tem cases de sucesso? Tem, em seu portfólio, empresas de nichos variados? Caso as respostas sejam positivas, você terá maiores condições de ter ao seu lado uma equipe forte para ajudar a fortalecer a imagem de sua organização em ambiente online.

A possibilidade de adaptação a diversas situações e diversidade de nichos atendidos mostram que eles estão preparados para ajudar sua empresa em qualquer situação. Agências Full Service permitem que você entre realmente do zero e saia com uma estratégia completa de marketing digital:

  • Sites + Blogs responsivos;
  • Geração de conteúdo para blogs e redes sociais;
  • SEO;
  • Mídia paga (Facebook Ads, Google, LinkedIn, Bing);
  • Native Ads, muito presente com Taboola.
  • Campanhas de E-mail Marketing

Se você não está começando totalmente do zero, a agência poderá fazer uma reformulação estratégica do seu plano de ação para aumentar sua presença online.

Como diferenciais, boas agências apresentam parcerias e certificações de marketing. Alguns deles, como o Google Partner e o Google Analytics Individual Qualified (GAIQ), garantem a credibilidade da agência diante de especialistas na área, o que permite a você ter maior confiança em fechar o negócio.

Outros aspectos, como o tíquete médio para a contratação e o prazo do contrato, precisam ser considerados de acordo com as possibilidades de cada empresa. É importante ressaltar que, em muitos casos, fatores como a distância da agência e o tamanho dela não importam tanto, por conta dos recursos disponíveis para reuniões (como o Skype e o Google Hangouts) e ferramentas que permitem o trabalho mesmo em espaços mais reduzidos.

Entendeu o que uma agência de marketing digital pode oferecer? Então não deixe de entrar em contato conosco!