O que é SEO? Tudo sobre busca orgânica!

7 de outubro de 2020
PUBLICADO EM blog
7 de outubro de 2020 Marcelo Rama

Uma dúvida recorrente no meio digital é o que é SEO exatamente, qual sua importância e como aplicá-lo. À medida que cada vez mais empresas percebem no ambiente online uma ótima oportunidade de ampliar ou divulgar seus negócios, a compreensão sobre esse tema se torna imprescindível!

Neste artigo tiraremos todas as suas dúvidas sobre o assunto, trazendo de forma simples quais são as boas práticas nesse setor. Ainda, mostraremos por que você deve investir agora mesmo recursos para que sua marca seja encontrada pelo Google e seus milhões de usuários mensais.

O que é SEO?

Basicamente, SEO significa Search Engine Optimation (traduzido como “Motor de Otimização de Busca) e compreende o conjunto de técnicas aplicadas em um site para que ele se torne relevante e consequentemente, seja reconhecido pelos mecanismos de busca.

Portanto, os profissionais especializados em SEO visam atrair visitas, de forma orgânica (ou seja: sem investimento patrocinado), vinda dos principais buscadores.

De fato, é quase desnecessário dizer que o principal mecanismo de busca hoje é o do Google: a gigante corporação representa mais de 90% de todas as buscas que os brasileiros fazem diariamente. Com isso, acompanhar as diretrizes que a empresa fornece é obrigatório – tanto na produção do conteúdo em si, quanto na parte técnica que envolve uma plataforma online.

Origem do Google e SEO

O termo SEO surgiu oficialmente em 1997, com o advento do Google e sua reconhecida capacidade de trazer, de forma rápida e eficiente, conteúdo relevante por meio de seu mecanismo de busca.

Os anos se passaram e em 2005 o Google finalmente embarcou em terras brasileiras, adquirindo a startup Akwan, que era responsável até então pelo sistema de buscas aqui.

De lá para cá, foi aperfeiçoando sua engenharia de dados para trazer resultados cada vez mais condizentes com a intenção do usuário.

Isso fez com que seus algoritmos (conjunto de regras e operações que aplicadas levam a solução de um determinado problema) se tornassem cada vez mais precisos e inteligentes, e consequentemente, o conteúdo a ser entregue e a experiência de usuário tivessem que acompanhar o ritmo e a qualidade de entrega do buscador.

Como funciona o Google?

Caso você queira entender melhor o que é SEO e como o Google faz para trazer um resultado quase que “mágico” em segundos, é necessário entender algumas etapas:

  •  Rastreamento

Os robôs do Google (Googlebot) varrem as páginas que são criadas e por meio de seus complexos algoritmos as avalia e prioriza.

Nessa varredura, links existentes, além de alterações e exclusões também são contabilizadas.

  • Indexação

Após essa varredura, ocorre a indexação, ou seja: a inserção das páginas no índice do Google. Nessa etapa também são levados em conta o conteúdo, título, descrição, e outros dados qualitativos.

  •  Resultados

Por fim, quando alguém faz a busca por um palavra-chave (e com isso não estamos falando de somente uma palavra, mas um conjunto de ideias, como, por exemplo: “onde comer em São Paulo”), o buscador procura dentro do seu índice quais são os sites mais relevantes, dentro de mais de 200 fatores de ranqueamento!

Qual o objetivo de SEO?

O objetivo de SEO vai ser sempre e principalmente, aparecer nas primeiras posições das páginas de pesquisa para determinado termo (ou palavra-chave).

Por exemplo, se você vende sapatos, provavelmente seria o máximo estar entre os primeiros resultados para “tênis branco”, “bota para inverno” e por aí vai, correto?

Isto porque são os primeiros resultados que concentram toda a atenção. Inclusive, costumava-se dizer que se você não aparecia organicamente entre os 10 primeiros resultados, você não era ninguém dentro daquele ramo de interesse.

Atualmente, sabemos que os usuários vão até os primeiros resultados da segunda página, mas estar além dessas posições significa não ter visibilidade orgânica – e com isso, perder oportunidades de aparecer e fidelizar clientes.

 

Como ranquear no Google?

Não existe fórmula mágica! Como dito anteriormente, o Google se tornou uma grande potência por perseguir constantemente altos padrões de entrega e qualidade, fornecendo ao usuário a melhor experiência possível.

Desse modo, todo esse trabalho, entregue em poucos segundos, demanda também esforço de quem produz conteúdo e administra o site.

Como exemplo principal, podemos citar a criação de conteúdo de qualidade. De nada adianta investir em milhões de técnicas em seu site, se suas páginas não forem relevantes ao que ali está sendo proposto.

Isso significa rejeição por quem está buscando a informação, o que nem o Google – e muito menos você – querem, certo?

Portanto, pode ter certeza que, se seu conteúdo for “mais do mesmo” ou somente buscar atrair visitas, sem entregar benefício ao usuário, sua marca não aparecerá nas primeiras páginas.

Em seguida, trazemos os tipos de SEO e as técnicas recomendadas para cada um deles!

SEO on-page

As técnicas do chamado SEO on-page devem-se, basicamente, à estrutura da página em si: o que é escrito e a produção que é feita por quem insere o conteúdo. Seria o equivalente a um palco, onde você irá apresentar sua performance – e como irá apresentá-la – a seus potenciais visitantes.

Sendo assim, algumas regras básicas devem ser atendidas!

  •  Bom conteúdo

Bem, já citamos a importância de produzir um bom conteúdo, mas é bom ressaltar sempre, uma vez que esse é o principal motivo de indexação de um site.

Quando alguém busca por determinado assunto, quer encontrar o máximo possível de informações sobre o tema.

E isso não significa um texto super extenso, embora o tamanho do texto ajude os algoritmos a entender que não se trata de algo superficial: ele só precisa conter tudo o que o usuário quer saber ou envolvê-lo dentro de um tema.

Para isso, outros fatores como legibilidade e experiência de usuário (UX) influenciam muito, além do próprio SEO técnico e do carregamento do site.

Por enquanto, basta dizer que é importante que você entenda a verdadeira intenção do seu público ao fazer uma busca. Afinal, em uma busca por um termo “onde comer”, por exemplo, você pode ter múltiplas interpretações:

  • Desejo de consumir algo em um estabelecimento (restaurante, lanchonete);
  • Utensílios domésticos onde ela pode apreciar uma refeição;
  • Lugar mais adequado para comer dentro de sua casa;

Enfim! Este exemplo mostra que dependendo do termo pesquisado (ou investido), você pode ter intenções completamente diferentes.

Para não minar seus esforços, é preciso entender como seu público busca exatamente por determinado assunto e encontrar entre os resultados o que para aquelas palavras são mais relevantes, ou seja: o que indexa mais, porque tem mais procura.

  • Qual a palavra-chave ou keyword ideal?

A busca da palavra-chave perfeita é um dos principais atributos de uma boa análise e consequentemente, um bom resultado em SEO. Considere alguns aspectos:

  • Relevante: essa palavra precisa entregar não só um bom resultado para o visitante, mas para o seu negócio, também;
  • Bom volume: quanto maior o volume, mais usuários serão atraídos para seu site;
  • A que tem boa competitividade: um site novo ou com recente investimento em SEO e/ou mídia paga deve buscar palavras que não tem um nível de competitividade tão alto, ou seja: concorrer com grandes portais de notícias ou e-commerces, por exemplo.

Na questão da competitividade, esclarecemos: imagina o quanto de relevância tem o Youtube, hoje considerada a maior plataforma social acessada pelo brasileiro.

Se você fizer uma busca e ela apontar duas páginas só de resultados desse site, é praticamente impossível que você consiga superá-lo com o termo escolhido – pois ele tem muita credibilidade, autoridade de domínio e visitantes por mês.

Portanto, uma dica boa se está começando é investir em keywords “de cauda longa”, ou em outras palavras, que não sejam tão genéricas e possuam duas ou mais palavras na composição da sua ideia. Então em vez de um termo genérico como “chocolate”, você poderia obter mais chance de visibilidade com “barra de chocolate sem lactose”, por exemplo:

 
 

Como você pode ver, um termo muito amplo vai trazer um volume imensamente maior – mas em compensação, bastante genérico. Afinal você não sabe se a procura é com a intenção de compra de um doce, de algo na cor marrom / chocolate ou mesmo uma receita.

Em compensação, se você vender barras de chocolate e tiver a variante sem lactose, você já sabe que, muito provavelmente se atingir quem buscou por esse termo, a chance de compra é muito mais alta!

A ideia é começar aos poucos, para ir galgando relevância e “ganhar a confiança” do Google, para gradualmente ser reconhecido e avançar posições dentro da busca orgânica.

  • Semântica

A repetição da palavra-chave no texto, portanto, é uma das formas que fará com que o algoritmo do Google entenda sobre o que o seu texto se trata e qual seu objetivo com aquele conteúdo.

Todavia, convém dizer que não adianta repetir incansavelmente esse termo ao longo do texto, pois esses “excessos” são mal interpretados pelo buscador – que entende que você quer “forçar a barra” para atrair visitantes.

Na sua atualização de algoritmo de 2013 (a chamada Hummingbird), o Google começou a entender a semântica das palavras. Com isso, é possível tornar o conteúdo muito mais agradável e menos repetitivo.

Definitivamente, um ganho e tanto para quem busca, quanto para quem quer ser encontrado! Sendo assim, não exagere na otimização de SEO e pense sempre nas sensações que o leitor terá ao ler seu conteúdo!

  •  Legibilidade em SEO

Outra prova de empatia, é a chamada legibilidade. Em outras palavras, ela traduz a organização visual de como as informações estarão dispostas.

Um texto que não possui palavras de conexões, tem blocos muito extensos ou não possui quebras (seja por meio de imagens, vídeos ou infográficos) fica cansativo para o leitor e consequentemente, é abandonado. Logo, perde relevância no Google!

Algumas dicas de legibilidade são:

  • Usar palavras de transição;
  • Investir em frases curtas;
  • Dividir parágrafos, evitando blocos;
  • Usar separação por meio de imagens, vídeos, GIFs ou infográficos;

Outro aspecto que divide opiniões é o uso das heading tags, também conhecidas como H1, H2, H3, H4, H5 e H6. Elas são a divisão do texto em títulos maiores e menores, de acordo com a hierarquia que apresentam.

 

Apesar de os especialistas do Google dizerem que elas não são um fator decisivo, seu uso se torna importante porque dá ao usuário uma noção de organização e de subdivisão dos assuntos relacionados.

E como você já sabe: tudo o que é útil para o usuário tem bons olhos para o maior site de buscas do mundo.

  • Título e descrição (title tag e meta description)

Aqui, temos uma parte um pouco mais técnica sobre o que é SEO, mas nem tanto! As páginas são formadas por um código fonte (HTML), que é o onde os buscadores fazem varreduras em busca de informações.

Com isso em mente, entenda que o title tag é o título que aparecerá nas buscas, enquanto a meta description é aquele breve resumo do conteúdo que é apresentado:

 

Acima, os dois campos foram otimizados para SEO. Na ausência de um texto pré-definido, o resultado de busca aparecerá conforme o título do texto, e a descrição como o primeiro parágrafo.

O problema disto? É que não necessariamente a sua palavra-chave ou ideia pode aparecer completa no momento da busca, pois a title tag exibida pelo Google tem 60 caracteres, enquanto a meta description tem 160 caracteres.

Mais do que isso e seu resultado aparecerá de forma não tão satisfatória e com informações pendentes:

 

Outro ponto que vale lembrar são os chamados alt tags, que são os textos que aparecem quando uma imagem não consegue ser carregada ou apresenta erro.

Inserir a palavra-chave nas alt tags, as otimizando, ajuda tanto na indexação quanto na acessibilidade – visto que usuários com deficiência visual usam programas que também identificam as imagens, dando coesão e formando um panorama completo do seu conteúdo.

  • URL

Na mesma linha de pensamento, é necessário que sua palavra-chave esteja presente na URL a qual deseja indexar.

Este é um dos fatores que o Google entende como relevante, pois uma URL confusa ou longa demais é difícil de replicar, além de conter muitos termos que não são do interesse da busca em específico.

 

Transforme suas URLs em aliadas na sua estratégia de SEO.

  •  Links internos

Por fim, fechamos a parte de SEO on-page com os links internos! Esta técnica nada mais é do que conectar textos sobre o mesmo assunto dentro de um site.

Desse modo, o visitante pode se interessar em ler mais sobre determinado tema ou até mesmo ir à uma página de produto, ou carrinho de compras.

Ainda, ter uma boa estrutura de links internos faz com que o Google entenda que seu site possui volume, bastante conteúdo e, se ele for interessante e aumentar o tempo de navegação do usuário, melhor ainda.

Decerto, ele entenderá que você é importante para o leitor e consequentemente, para ele!

  • SEO off-page

O SEO off-page consiste nas técnicas externas, que trarão confiabilidade e credibilidade para a sua página.

Alguns modos de conseguir relevância com o Google são os abaixo:

  • Linking building

O linking building é uma técnica super importante e valorizada pelo mercado. Quando um site aponta para o seu, em geral significa que seu conteúdo é útil de alguma forma. E quanto mais relevante e maior ele for, melhor: afinal, uma indicação carrega consigo grande responsabilidade.

Quanto mais referências de qualidade você tiver, maior a validação do seu bom trabalho.

No entanto, cuidado: essa troca precisa ser justificada e jamais feita por meio de robôs ou compra de links – essa conduta é chamada dentro de SEO de uma prática Black Hat, que visa somente enganar os sistemas de busca.

Medidas antiéticas como essa são passíveis de penalização por parte do Google.

  • Menções na web

Da mesma maneira que a referenciação por linking building é importante para SEO, as menções que não possuem link também ajudam com que o Google entenda que vale a pena considerar seu site na indexação.

  • Redes sociais

Ter um bom número de seguidores, engajados com a sua marca e prontos para compartilhar suas postagens traz, além de autoridade e awareness para a marca, possibilidade de mais tráfego para seu site.

Não necessariamente isso contabilizará na busca orgânica, mas é um indício do quanto seu conteúdo pode ser atrativo e útil – que reverbera em SEO.

 
  • Assessoria de imprensa

A assessoria de imprensa também ajuda muito em SEO, à medida que pode ser bastante útil para encontrar portais que podem aproveitar seu conteúdo e lhe referenciar.

Ela pode, e muito, ajudar na construção de linking building!

  • SEO técnico

Se você deseja entender o que é SEO na totalidade, também precisa entender (o mínimo) de SEO on-site, mais conhecido como “SEO técnico”. Ele está intimamente ligado às funcionalidades das suas páginas e os responsáveis por essa parte são os desenvolvedores web, junto ao técnico de SEO e a equipe de marketing.

Alguns dos principais fatores que envolvem essa modalidade e que são imprescindíveis para o sucesso de SEO como um todo são:

  • Velocidade de carregamento

Seu site precisa contar com programação e formatos de arquivos que facilitem ao máximo seu carregamento e bom funcionamento.

Um site que demora para carregar é logo abandonado, aumentando a taxa de rejeição e o entendimento dos mais de 200 fatores de ranqueamento do Google de que você não se esforça o bastante para garantir uma boa experiência de usuário.

  •  Experiência de usuário (UX)

Cada vez mais importante, a experiência de usuário (ou User Experience / “UX” em inglês) compreende também um conjunto de técnicas que levam em conta o comportamento do usuário dentro do site: para onde é voltada sua atenção, que cores, formatos e disposições agradam mais, além do texto e construção das áreas o qual é estruturado.

Basicamente, seria a função de um arquiteto em uma casa, mostrando de que forma cada coisa deveria estar disposta para trazer mais funcionalidade.

Tornou-se essencial nos dias de hoje, onde os sites mais estrategicamente pensados atraem mais cliques e com isso, maior relevância perante o Google.

  • Erro 404

Também conhecido como “página não encontrada”, o erro 404 é extremamente frustrante para o usuário. Ocorre principalmente quando uma página é desativada ou o site é migrado para outra plataforma e estrutura. É de suma importância que o SEO técnico corrija esses erros, fazendo os redirecionamentos corretos e evitando assim que o Google penalize o site por esses “deslizes”.

  • Redirecionamentos

Os redirecionamentos corretos são essenciais para que o visitante não caia em um beco sem saída.

Portanto, contar com os redirecionamentos 302 (temporário) e o 301 (definitivo) é muito importante para conduzir rapidamente à página correta.

Além disso, é importante que o redirecionamento seja feito para a URL final, uma vez que quanto mais obstáculos no caminho houver, maior será o tempo de carregamento e pior a velocidade geral do site.

  • Canonical tag

As canonical tags têm um papel similar ao direcionamento, mas indicam dentro do código do site, qual a página principal que os buscadores devem referenciar. No caso de sites que fazem campanhas, a URL pode ser muito parecida. Com isso, a utilização desse código indica que aquela página específica deve ser referenciada.

  • Site responsivo

Por último, mas de forma alguma menos importante. O volume de pessoas usando o celular é cada vez maior no mundo todo, e a tendência é só aumentar.

É imprescindível que seu site seja responsivo para mobile, ou seja: pensado e desenvolvido para responder com a mesma excelência do desktop (nada de ter que passar para o lado ou dar zoom para enxergar).

O Google trata esse fator como primordial e tende a limar de uma vez por todas dos resultados de busca quem não se adaptou a essa nova realidade.

Agora que você já sabe o que é SEO e quais são as principais técnicas que deve trabalhar, que tal contar com uma agência de marketing digital especializada no assunto?

A busca orgânica do Google é muito mais complexa do que parece e estar nas primeiras posições é o sonho de toda empresa.

A DDWB pode ajudar a tornar seu conteúdo mais atrativo através de técnicas de Inbound Marketing, para que juntos alcancemos o topo da montanha – ou da SERP, no caso.

Caso este texto tenha sido relevante para você, compartilhe nas redes sociais e faça com que mais pessoas entendam, pelo menos um pouco, como o Google funciona.